A revolução do 25 de Abril de 1974 trouxe a Portugal Liberdade, pondo fim a um longo período de Ditadura fascista de 49 anos. Após 1976 houve retrocessos graves no processo desta revolução, patrocinada por partidos reaccionários de direita tendo como aliados algumas famílias Fascistas. Portugal foi caminhando o trilho de uma sociedade capitalista, geradora de profundas injustiças sociais.



Neste blog iremos denunciar os sistemáticos atentados que todos os dias ocorrem às Liberdades, Direitos e Garantias que herdámos de homens e mulheres que lutaram para que fosse possível o maior acontecimento histórico do século xx em Portugal.



quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

NO CIMO DO MASTRO



          Quando da tomada de posse da nova Assembleia de Freguesia e do Executivo da Junta de Freguesia de Lordelo, ocorrida no dia 30 de Outubro, Celso Ferreira, o Presidente da Câmara Municipal de Paredes, disse trazer uma surpresa para os Lordelenses. E referiu então a implantação em Lordelo de um mastro de 100 metros onde hastearia uma gigantesca bandeira nacional, o que deixaria orgulhosa a respectiva população.

Na discussão dos Documentos Previsionais da Câmara consta no respectivo Orçamento uma verba de 1 milhão de euros para a colocação do referido mastro.

Parece ser algo surpreendente que o Sr. Presidente da Câmara titubeie sobre a localização do referido mastro, ou sobre os custos programados. Tal assim aconteceu na Assembleia Municipal de Paredes e em declarações a Órgãos de Comunicação Social, de dia 19 de Dezembro e seguintes.

Mas já em 26 de Dezembro, em Lordelo, reafirmou a iniciativa embora a relativize, enquadrando o seu custo numa requalificação de zona envolvente do Cruzeiro de Meda, em Lordelo. Estamos assim perante uma mais plausível utilização dos bens públicos, a crer nos argumentos do Presidente da Câmara.

Alguns falarão em fetiche presidencial com bandeiras de dimensão extraordinária, tal como já existe no Edifício da Câmara e no Parque da Cidade. Outros falarão de populismo fácil, de exibicionismo provinciano visível à distância de Aveiro e Braga. Outros rirão do autarca, não deixando de sublinhar a lógica da sua esmagadora representatividade eleitoral.

Eu direi. Deixem o mastro crescer, deixem a bandeira tremular, vejam o novo Cristo Rei de Paredes (em Lordelo) que tanto ufana Celso Ferreira e concluam. Grande, por vezes desmedida, é a ambição humana, pequena a sua lógica, racionalidade e humildade. Mais milhão, menos milhão, que interessa?

A metáfora. O líder lá em cima do mastro, e Paredes cá em baixo.

Escrito por:

Cristiano Ribeiro

Estas santas personalidades, super democráticas estiveram na Jamba num congresso da Unita (1991), que é um exemplar partido democrático.

"Filhos de Abril":
Queremos agradecer o envio desta fotografia para publicação.
Prenda de Natal de um estimado amigo e lutador pelos valores de Abril.


Olhem - me só a trupe!

TODOS FEITOS UNS COM OS OUTROS!

Imaginem as contrapartidas que estes tipos e outros beneficiaram
até agora com a descolonizacao exemplar!!!!!!!!!!!!!

Olh'os gajos !!!

Foto tirada na Jamba, em 1991, durante o congresso da UNITA.

...Fazemos uma pergunta: conhecem alguém nesta fotografia ?

 

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

O MTD- Movimento dos Trabalhadores Desempregados

  • Mais de 700 mil desempregados
  • 350 mil sem subsidio de desemprego
  • 25% dos trabalhadores em situação precária
  • Distrito do Porto com 14% de desempregados
O MTD- Movimento dos Trabalhadores Desempregados face ao aumento do desemprego, decidiu contribuir com propostas para resolução dos gravíssimos problemas que o país atravessa em matéria de emprego, destacando o facto de ser no distrito do Porto onde mais se fazem sentir, com uma taxa de desemprego de14%.


Face aos números negros do desemprego(125 mil) no Distrito do Porto e nomeadamente na região do Vale do Sousa, em que perto de metade destes trabalhadores não têm qualquer tipo de subsídio, facto este, demonstra que as medidas politicas tomadas por parte dos governantes para atenuar tão grave crise social não tem tido qualquer tipo de resultados e até estranhamente humilhantes como a de ter que andar atrás de carimbos ou a obrigação de apresentação quinzenal nas juntas de freguesia como se de um cadastrado se tratasse.( procurar água no deserto)


Numa iniciativa realizada no dia 17 Dezembro, na rua 31 de Janeiro no Porto  o MTD distribui um documento com 10 medidas de combate ao desemprego e apoio aos desempregados:
  1. Alteração dos critérios de atribuição do subsídio de desemprego para que mais desempregados possam ser abrangidos pela prestação.
  2. Impedir despedimentos e investir na criação de empregos estáveis. É preciso dinamizar as actividades económicas para permitir um desenvolvimento sustentado que não se concretiza sem valorização qualitativa e quantitativa do emprego.
  3. Fiscalização objectiva e rigorosa dos processos  de despedimentos colectivos e lay-off por parte do Ministério do Trabalho.
  4. Valorizar o trabalho e os direitos dos trabalhadores.Esta valorização é indispensável para melhorar as condições de trabalho e de vida dos portugueses e dar efectividade à Democracia.
  5. Combater a precariedade. A análise do pouco criado entre 2005 e 2008 mostra que praticamente só foram criados empregos precários que penalizavam sobretudo os jovens.
  6. A imediata revogação das normas gravosas da "lei do desemprego" (DL220/06), nomeadamente do dever de apresentação quinzenal que constitui uma medida de coação contra os trabalhadores desempregados, impondo-lhes "termo de identidade e residência".
  7. Aumento do valor dos subsídios de desemprego e social de desemprego, alterando a percentagem aplicada na fórmula de cálculo para 75% e atribuição de pensão de reforma, sem penalizações, aos trabalhadores que atinjam 40 anos de contribuições.
  8. A revogação dos aspectos negativos do Código do Trabalho e da legislação da Administração Pública, com destaque para os que facilitam a precariedade e o despedimento, defendendo o trabalho com direitos.
  9. Isenção total de propinas a todos os trabalhadores estudantes em situação de desemprego.
  10. Acesso ao passe social nos transportes públicos para trabalhadores desempregados, tal como acontece para reformados.
Ver mais em: http://www.oje.pt/noticias/economia/movimento-dos-trabalhadores-desempregados-denuncia-forma-como-sao-tratados

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

O Natal!

É na época Natalícia que muitas figuras com pédrigree que por detrás de dispendiosas encenações mediáticas, com tiradas cínicas e comoventes sobre os direitos humanos e ajudas humanitárias(banco alimentar contra fome,etc...),como já vem sendo hábito na nossa sociedade por parte dos mesmos que provocam a crise,os mesmos que retiram direitos aos trabalhadores,provocando desemprego, e como é natural pobreza e fome.

Está na natureza do sistema capitalista provocar tais feridas na sociedade para que tenham o domínio através da exploração, para que depois como seres humanos altamente paternos ajudem os pobrezinhos.(No Natal  dá tanto jeito com tantas familias reunidas em frente a televisão!)

Resumindo, um bom samaritano que paternalmente dá empregos com contratos de trabalho a seis meses, pagando o ordenado mínimo(450€), exigindo a este filho que trabalhe 65 horas por semana, mas  só paga 40horas, porque o excesso do trabalho acima das 8 horas normais diárias que antes contava como horas extras vai passar a acumular para dias em casa, ou seja o trabalhador trabalha mais e ganha o mesmo.
Se o recusas vais para rua porque não falta quem queira trabalhar!Palavras santas quando temos 700mil desempregados!

"Filhos de Abril":

Será que quem ganha as eleições à 34anos em Portugal(PS;PSD,CDS atrelado)juntamente com alguns multimilionários que reúnem secretamente para ai em hotéis luxuosos para decidir o que fazer em Portugal e no Mundo, não são os verdadeiros culpados desta crise e a sua consequente pobreza e até os mesmos que a seguir dão a esmola????

NOTA: Sobre as reuniões secretas falaremos brevemente neste blog.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Perguntas de Honório Novo sobre a Mini-ETAR de Baltar na Assembleia da República.

"Filhos de Abril": Este texto foi retirado do documento original, para que não reste dúvidas do que foi perguntado pelo Deputado Honório Novo na Assembleia da República sobre a Mini-ETAR de Baltar(Paredes).Queremos desde já, agradecer ao Deputado do PCP toda a disponibilidade, preocupação e responsabilidade de o ter feito na tentativa de resolução deste grave problema Ambiental.

 Fica claro para os Paredenses(Baltrarenses) que uns certos  deputados, que foram eleitos para assembleia da republica pelo nosso distrito, moram aqui na região que até já experimentaram o magnifico perfume  da Étar-Chanel, tentaram passar a ideia que tudo era normal e nada fazem!Sabem como é!

Quando se trata de campanha para as eleições de parte dos partidos reaccionarios vale tudo incluindo o uso que fizeram da juventude Socialista para passar uma imagem de gente preocupada com o ambiente, certo foi que o que a JS observou e registou ou ficou na gaveta ou vai ainda a caminho.

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
Assunto: Mini-ETAR de Baltar (Paredes)


Destinatário: Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território

Ex.mo Sr. Presidente da Assembleia da República

Como é certamente do conhecimento do Ministério do Ambiente, a empresa Águas de Paredes, S.A, empresa privada de capitais estrangeiros a quem a Câmara de Paredes decidiu, em 2001, entregar a responsabilidade pelo abastecimento de água e pela recolha, tratamento e rejeição de efluentes do Concelho, construiu em Baltar, no ano de 2005, uma mini-ETAR cuja qualidade e eficiência passou a ser infelizmente conhecida localmente pelos seus resultados e consequências, que aliás se supõem ser do conhecimento desse Ministério através de inspecções realizadas pelos serviços da sua dependência.


Na realidade, essa mini-ETAR passou a constituir uma fonte permanente de maus cheiros, e a água da Ribeira de Baltar, outrora usada para rega dos campos pelos agricultores locais, passou a estar permanentemente poluída.

Face a esta situação inaceitável, que aliás gerou a indignação generalizada da população de Baltar, em particular daqueles que ainda teimam em continuar a trabalhar a terra, a referida empresa privada decidiu executar algumas obras de “requalificação ambiental” da mini-ETAR, procedendo à construção de um sistema dito de desodorização, instalando filtros de carvão, construindo um edifício e plantando uma cortina arbórea de protecção. Os resultados, porém, continuaram a ser deploráveis e a verdade é que os maus cheiros continuaram a fazer-se sentir, tal como a Ribeira de Baltar continuou a estar poluída.


Não obstante as obras realizadas em 2008 para minimizar os efeitos negativos do seu funcionamento – realizadas somente três anos depois de construída a mini-ETAR - a situação continua a ser verdadeiramente insustentável do ponto de vista ambiental e das consequências negativas na Ribeira de Baltar. Importaria, neste contexto, que as autoridades governamentais que têm como atribuição e competência fiscalizar e assegurar níveis de despoluição adequados nos cursos de água e de condições mínimas de qualidade do ar que as populações respiram, tomassem de facto o pulso à situação e impusessem uma solução alternativa, e com qualidade, à empresa Águas de Paredes, SA. Importava ainda a fixação de um calendário para a construção dessa solução alternativa e para o encerramento definitivo desta pseudo-ETAR de Baltar.


Por isso, e ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, solicito ao Governo que, por intermédio do Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território, sejam prestadas as seguintes informações:


1. Que resultados é que o Ministério tem colhido sobre a qualidade da água na Ribeira de Baltar, na zona onde está construída e descarrega os seus efluentes a designada mini-ETAR de Baltar? Com que periodicidade é que o Ministério tem procedido à avaliação da situação de poluição da Ribeira nessa zona? Como é possível que uma ETAR possa descarregar um volume tão intenso de carga poluente numa Ribeira? Como é que o Ministério do Ambiente tem permitido que tal continue a suceder ao longo de tantos anos?


2. E quanto aos cheiros e à qualidade do ar na zona onde está instalada a mini-ETAR de Baltar? Que resultados têm sido observados ao longo dos anos pelos serviços do Ministério?


3. Que medidas é que o Ministério pensa impor à Águas de Paredes, SA para resolver de vez o problema? Confirma-se que a solução do problema tem de passar obrigatoriamente pela construção, noutro local de uma nova EATR construída segundo um projecto adequado, moderno e eficiente? Em caso afirmativo há ou não algum calendário definido e/ou acordado para o encerramento definitivo da mini-ETAR de Baltar?

Palácio de São Bento, 5 de Novembro de 2009


O Deputado:
(Honório Novo)

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Eleito da CDU Lordelo é um exemplo de trabalho e competência!


"Filhos de Abril":De Lordelo chega um exemplo claro de um politico empenhado e atento aos problemas dos Lordelenses.

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia de Lordelo, Miguel Correia, entregou hoje uma carta na Junta de Freguesia de Lordelo onde expõe as suas propostas para o próximo orçamento da Junta de Freguesia de Lordelo:

Exmo. Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Lordelo

Em resposta à vossa solicitação exposta pela vossa carta datada de 30 Novembro de 2009, e não tendo havido nenhuma reunião prévia onde o eleito da CDU na Assembleia de Freguesia pudesse expor mais pormenorizadamente as suas sugestões para o orçamento e não sabendo em rigor as dotações orçamentais disponíveis para o próximo ano, venho por este meio expor as propostas da CDU para o próximo orçamento da Junta de Freguesia de Lordelo:

1) Requalificar a Estátua Ribeiro da Silva;
2) Construção de um parque de recreio na Urbanização da Rua dos Combatentes (Parteira);
3) Alargamento e requalificação da Rua da Abroeira;
4) Proceder a aberturas e alargamentos das ruas de acesso ao lugar de Soutelo, conhecido pelo “Cantinho”;
5) Construir uma via rodoviária que ligue o lugar de Soutelo (junto aos Correios Velhos) à Zona Industrial com rotunda na zona das Agras/Capela de S. José;
6) Construir uma cobertura junto da Escola EB 2,3 de Lordelo que sirva de abrigo aos alunos enquanto esperam pela abertura da Escola e pelos os autocarros;
7) Construção de passeios e lugares de estacionamento na EN209 entre a “Quinta da Batalha” e o edifício “Servilord”;
8) Construir uma entrada condigna da nossa cidade na zona da Levadinha, perto da ponte do Venâncio, com uma estátua alusiva à nossa cidade;
9) Requalificar o espaço defronte à Escola EB 2,3, nomeadamente o arranjo do “lago” e arranjo dos passeios junto ao edifício da Casa do Povo;
10) Aquisição e colocação de mais 10 contentores do lixo e 10 Ecopontos na cidade de Lordelo;
11) Disponibilizar o acesso à internet fora do edifico da Junta de Freguesia;
12) Construção de um Parque Radical “indoor”, que permita a prática de desportos radicais durante todo o ano;
13) Adquirir e requalificar os moinhos d’água nas margens do Rio Ferreira a montante da “Levada do Souto” e integrá-los num percurso histórico-ambiental entre a ponte de Cerqueda e a Levada do Souto.

09 de Dezembro 2009

O Deputado da Assembleia da Freguesia de Lordelo eleito pela CDU – Coligação Democrática Unitária,

António Miguel Barbosa Correia

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Reformados, pensionistas e idosos manifestam-se em Lisboa


Os reformados na pobreza e o capital a engordar!

Milhares de reformados de todo o pais dirigiram-se a Lisboa mostrar o seu descontentamento com as politicas deste Governo.

Faziam com varias palavras de ordem :

"MURPI como parceiro social"
"Pensões de reforma dignas para os reformados"
"Médico de família para todos"
"Reformados e pensionistas tem sede e fome de justiça"
"É tempo de os deputados cumprirem as promessas feitas"
"Com a direita a governar os pobres é só pagar"

"Filhos de Abril": Estas eram algumas das exigências e denuncias !

Esta foi uma iniciativa promovida pela INTER-reformados/CGTP-IN, e pela confederação Nacional de reformados, pensionistas e idosos(MURPI).

a luta agudizou-se quando os reformados souberam que este governo (José Socrates), anunciou que em 2010 as pensões mais baixas e inferiores a 630€, seriam aumentadas uns mizeros 1,25 por cento.

quer dizer: Aumentos na média, de 17 e de 14 cêntimos por dia.

-Sr Primeiro tenha vergonha ou você não se consegue por no lugar destas pessoas ou o mais é importante para si que os 5 maiores bancos que ganham por dia 5 milhões de €; com SR e todo o Bloco de interesses muito generosos ajudando com 20 mil milhões de € para salvar a Banca!

Para o banco milhões para os reformados tostões.


Os "filhos de Abril": Pedem a todos que se juntem esta luta, porque todos nós seremos reformados um dia!

Todos os reformados do concelho de Paredes unam-se às confederações sindicais CGTP e ao MURPI:

PELA:
  • Melhoria do poder de compra!
  • Melhores reformas e pensões no sector publico e privado!
  • Revogação do factor de sustentabilidade reduz ano após ano os valores da reformas de futuros trabalhadores!
  • Reforço da organização e do funcionamento do serviço nacional de Saúde adequados, de acesso facilitado e de resposta aos problemas das pessoas idosas independentes!
  • Medidas de combate a pobreza e a exclusão Social na sociedade Portuguesa!
Srs ministros da assembleia:
"Ser velho não é um defeito!"

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Os direitos não se dão! Conquistam-se! Os direitos defendem-se exercendo-os!

Queres saber mais...?
Da uma espreitadela em...http://www.jcp-pt.org/index.php?option=com_content&task=view&id=1014&Itemid=1

Governo volta a carga com as portagens nas Scuts!

"Filhos de Abril ":
Alerta a população do concelho de Paredes para importância desta noticia, pois num concelho com o cenário mais negro de desemprego dos últimos tempos, com as pequenas e as medias empresas (PME) com grandes dificuldades para conseguirem sobreviver nesta economia, onde a pobreza é já um facto.

Os filhos de Abril estão solidários com a comissão de utentes, apelando a toda a população do concelho de Paredes a lutar para travar esta injustiça da colocação de portagens nas scut agravando as condições já de si graves das populações que envolvem estas vias.

«Quanto às SCUT, deverão permanecer como vias sem portagem, enquanto se mantiverem as duas condições que justificaram, em nome da coesão nacional e territorial, a sua implementação:
i) localizarem-se em regiões cujos indicadores de desenvolvimento socioeconómico sejam inferiores à média nacional; e
ii) não existirem alternativas de oferta no sistema rodoviário.»
Programa do XVIII Governo Constitucional

Contrariando o disposto no seu próprio programa de governo, o PS finge ignorar a dramática crise económica e social do Norte do País, procurando a todo o custo justificar a implementação de portagens nas SCUT, recorrendo à mentira e à demagogia para fazer esquecer promessas eleitorais. A DORP do PCP pretende nesta Conferência de Imprensa confrontar o Governo PS com os seus próprios argumentos, evidenciando que a implementação de portagens nas SCUTS do Norte Litoral, Grande Porto e Costa da Prata não leva em consideração, melhor despreza, aquilo que os próprios dados oficiais confirmam: o Distrito e a Região estão numa crise cada vez mais acentuada.Mais um golpe na economia de uma Região maltratada ao longo dos anos pelos sucessivos Governos.

As três SCUTS atrás referidas abrangem concelhos do Distrito do Porto. Considerando um dos aspectos que o estudo do anterior governo PS referia, e este de forma implícita parece adoptar – o PIB per capita em paridades de poder de compra –, não pode deixar de se referir que as NUTS que compreendem os concelhos do distrito, as do Grande Porto, Ave e Tâmega, apresentam valores abaixo da média nacional, respectivamente de 98,3%, 73,9% e 57,8%. Refira-se que estes dados respeitam a 2006 e foram publicados pela EUROSTAT durante este ano. Mas ninguém, com certeza, se atreverá a dizer que a situação melhorou de então para cá.
Um outro critério, igualmente adoptado pelo anterior governo PS, mas que não sendo referido explicitamente nas condições constantes do Programa do actual Governo continua a ter inegável importância como “indicador de desenvolvimento económico”, é o do Índice de Poder de Compra Concelhio. Com efeito, dos 21 concelhos abrangidos pela SCUT do Norte Litoral apenas quarto apresentam valores acima da media nacional. No que respeita à SCUTdo Grande Porto, de 21 concelhos apenas 5 estão acima da mesma media. Quanto à SCUT da Costa da Prata, de 24 concelhos, só 7 têm valores acima dessa media. Isto é, quanto a este indicador, a esmagadora maioria dos concelhos têm um índice de poder de compra inferior, em muitos dos casos muito inferior, à mádia nacional.

Os concelhos atravessados pela SCUT Norte Litoral têm uma taxa de desemprego de 11%, e outros concelhos servidos por esta SCUT apresentam uma taxa de desemprego de 14%. Convém recordar que a média nacional é de 10%. Esta SCUT atravessa um núcleo territorial de mais de 700 mil pessoas e serve indirectamente mais de 1.2 milhões de pessoas. Acresce ainda que destes núcleos, o Índice do Poder de Compra Concelhio (IPCC) é superior a 90%da média nacional em 5 dos municípios servidos pela SCUT e menor que 90% em 16 outros municípios.

Referindo alguns dados de ordem social, eles confirmam que as condições constantes do Programa do Governo não são aplicáveis nas três SCUTS. Com efeito, tendo o País uma taxa de desemprego de 10%, os concelhos abrangidos pela SCUT Norte Litoral apresentam uma taxa média de 13%, os da SCUT do Grande Porto de 14% e os da SCUT da Costa da Pratade 12%.Mas se levarmos em consideração o Rendimento Social de Inserção e o tivermos em conta como um indicador de pobreza, temos que só o Distrito do Porto absorve 33% do total dos beneficiários. Os indicadores apontados, extraídos de dados oficiais, mostram de forma inequívoca que o primeiro critério, só por um mero exercício de imaginação pode ser considerado válido para a implementação das portagens em qualquer uma das SCUTS referidas. Quanto à segunda condição – a não existência de alternativas no sistema rodoviário –, só quem não conheça e não pretenda conhecer, pode admitir que existem alternativas que como tal devam ser consideradas. O Programa do actual Governo foge à definição objectiva do que considera uma alternativa. No estudo de 2006 considerava que ela existia quando o tempo do percurso não fosse superior a 1,3 da SCUT em apreciação.

Agora nada define, como que fugindo a uma discussão que sabe ser-lhe desfavorável.
Qualquer das pretensas alternativas atravessa aglomerados populacionais, centros de vilas e cidades, tem centenas de cruzamentos, rotundas e passadeira, e dispõe de dezenas desemáforos. As limitações de velocidade são uma constante, assim como os engarrafamentosde tráfego.
O tempo de percurso por qualquer uma das pretenses alternativas é, no mínimo, o triplo do de qualquer uma das três SCUTS. Talvez por isso o Governo tenha deixado cair o anterior critério.

Em suma, qualquer uma das condições constantes do Programa do actual Governo, e elas são cumulativas, não se encontra satisfeita, pelo que as portagens nas três SCUTS nãopodem ser aplicadas. A verificar-se, significará mais uma decisão que ferirá os interesses de uma região em profunda crise, e cada vez mais acentuada, que não tem merecido a devida atenção por parte do Governo, antes tem merecido a sua discriminação.
A DORP do PCP saúda a luta que as Comissões de Utentes têm desenvolvido, não só pela sua dimensão, que levou a que todas as declarações de que a implementação dessas portagens era “para amanhã”, mas, também e muito, pela sua visão de que este problema não se circunscreve aos interesses de um ou alguns concelhos mas sim a toda a região no seu conjunto.

A DORP do PCP apela ao Governo para que cumpra, com seriedade, o que consta do seu Programa, não entre em manobras de diversão e leve em consideração a realidade económica e social que esta região vive e que a implementação de portagens, injustificável e injusta, virá agravar.A DORP do PCP manifesta, desde já, o seu apoio às lutas que as Comissões de Utentes decidam adoptar no sentido de levar o Governo a decidir pela razão e pela justiça, que os dados oficiais e a vida sobejamente demonstram, isto é, pela não implementação de portagens nas três SCUTS.

A DORP do PCP
07 de Dezembro 2009

domingo, 6 de dezembro de 2009

Ary Sempre!


Homenagem ao poeta da Revolução no 35º Aniversário de Abril


Realizou-se na passada Sexta-Feira 4- de Dezembro - 21h30 no Coliseu de Lisboa um espectáculo de homenagem ao poeta Ary dos Santos com a participação de Carlos do Carmo e Bernardo Sassetti (convidado)

"Filhos de Abril" :
Um homem que é sem duvida um dos poetas mais marcantes na geração de Abril e pela transformação da sociedade que terá sempre lugar na nossa memoria!

Poema de Ary dos Santos:
O Futuro

Isto vai meus amigos isto vai
um passo atrás são sempre dois em frente
e um povo verdadeiro não se trai
não quer gente mais gente que outra gente

Isto vai meus amigos isto vai
o que é preciso é ter sempre presente
que o presente é um tempo que se vai
e o futuro é o tempo resistente

Depois da tempestade há a bonança
que é verde como a cor que tem a esperança
quando a água de Abril sobre nós cai.

O que é preciso é termos confiança
se fizermos de maio a nossa lança
isto vai meus amigos isto vai.

Dos "Filhos de Abril" em memoria de Catarina

Nestas terras de Baleizão e do Alentejo, ao evocarmos hoje a memória de Catarina evocamos todos aqueles que lutaram pelo pão e pela liberdade, pela dignidade do homem e da mulher e todos aqueles que nas mais diversas condições não desistem da transformação social, do aprofundamento da democracia, de lutar contra a resignação e o fatalismo, por um Portugal de progresso e justiça, por uma sociedade liberta da exploração e da alienação.
( Palavras de Carlos Carvalhas)


À MEMÓRIA DE CATARINA EUFÉMIA, MILITANTE COMUNISTA ALENTEJANA


António Gervásio

Não conheci directamente Catarina Eufémia, mas acompanhei de perto a luta em que ela perdeu a vida. Segui as manobras e as provocações da PIDE e da GNR em torno do seu funeral. Conheci vários seus familiares.
Poucos dias depois deste cruel assassinato fui transferido para o distrito de Beja, como funcionário do Partido Comunista Português, sendo responsável pela organização. Vivi de perto todo esse crime do fascismo, o assassinato de Catarina.

Passaram-se 49 anos. Peço desculpa por repetir a descrição de acontecimentos conhecidos mas, às vezes, é bom relembrar a história.
Foi a 19 de Maio de 1954, no começo das ceifas, numa luta por melhores jornas, nas redondezas de Baleizão, onde o famigerado Carrajola, um tenente da GNR de Beja, num acto de ódio criminoso, assassinou Catarina com uma rajada de metralhadora. Por lutar por melhores jornas!

Os trabalhadores agrícolas de Baleizão estavam em greve, reivindicavam melhores jornas nas ceifas. A GNR tinha a aldeia cercada. Próximo dali, um rancho, arregimentado pelo agrário, «furou» a greve. Catarina e mais 14 companheiras romperam o esquema da GNR e foram ao encontro do grupo que ceifava. Foram interceptadas pelo tenente Carrajola que as questionou, cheio de ódio, sobre o que queriam elas. Catarina respondeu: «Quero pão para matar a fome aos meus filhos!» Em resposta, o criminoso Carrajola disparou uma rajada de metralhadora, matando Catarina...

Este bárbaro crime provocou profunda dor e revolta no Pais, em particular na região de Beja e na terra baleizoeira. O fascismo matava homens e mulheres por lutarem por Pão e Trabalho, pela Liberdade e pela Democracia.
Uma das fortalezas alentejanas da resistência antifascista, Baleizão, era onde o PCP, na clandestinidade, contava com forte influência e onde as mulheres comunistas tinham uma activa militância na luta revolucionária contra a ditadura salazarista, na luta pela Liberdade.

Há gente que não gosta do PCP e procura negar que Catarina fosse militante do Partido.

É necessário dar luta contra essas mentiras. Catarina Eufémia era não só militante, desde 1953, como era também membro do Comité Local de Baleizão do PCP e um dos seus membros mais activos.

Catarina Eufémia tornou-se um nome querido e respeitado, não só entre os militantes comunistas mas entre muitos milhares de portugueses e portuguesas. Não é por acaso que, ao longo destes 49 anos, largas centenas de pessoas dos vários cantos do País vão todos os anos, em Maio, ao comício do Partido em homenagem à camponesa de Baleizão.

O nome de Catarina está gravado na longa história do nosso Partido. Catarina é uma mártir da resistência antifascista e um símbolo da coragem na luta sem tréguas contra a ditadura, pelo Pão, pelo Trabalho, pela Liberdade e pela Democracia em Portugal.
Alentejo, 1 de Fevereiro de 2002

Dirigente do PCP na clandestinidade, nos anos 50, no Alentejo

História do Movimento Democrático de Mulheres

Os "Filhos de Abril" em defesa de uma Democracia avançada e progressista tem como aliado de classe para intervenção em Paredes o MDM.
Este movimento de Mulheres deve e vai ser aqui promovido como um movimento imprescindivel a Paredes, que desenvolve uma activa intervenção na luta pela resolução dos problemas concretos das mulheres, em defesa da igualdade e emancipação, pela melhoria das condições de vida e progresso social.

Documento do MDM:

O MDM é uma associação de mulheres cujas raízes se encontram nos antigos movimentos femininos, e que surge das Comissões eleitorais de mulheres, criadas em 1968 no seio do Movimento de Oposição ao regime de Salazar. Após as eleições, as Comissões transformaram-se, por decisão unânime das mulheres que as compunham, no Movimento Democrático de Mulheres

– MDM.
O Movimento Democrático de Mulheres - MDM é uma associação de mulheres cujas raízes se encontram nos antigos movimentos femininos, tais como a Liga das Mulheres Republicanas (1909-1919) ou o Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas (1914-1947).

Surge das Comissões eleitorais de mulheres, criadas em 1968 no seio do Movimento de Oposição ao regime de Salazar, durante o período das eleições para os deputados à Assembleia Nacional.Após as eleições, as Comissões transformaram-se, por decisão unânime das mulheres que as compunham, no Movimento Democrático de Mulheres – MDM.

Apesar das dificuldades, porque o direito de reunião era proibido pelo governo, o MDM festejou já o 8 de Março de1969, por sua própria iniciativa, constituindo este acto, a primeira manifestação pública, que marca o seu início como movimento feminino.

Desde logo estabelece contactos a nível internacional, passando a ser membro da Federação Democrática Internacional das Mulheres – FDMI – utilizando , então este importante fórum para denunciar a situação das mulheres e do povo português sob o regime fascista.

A 21 de Outubro de 1973, realiza-se o 1º Congresso Nacional do MDM.

A exigência do direito ao planeamento familiar e ao aborto em condições que salvaguardassem a saúde da mulher, figuram, com grande destaque, nas conclusões do Congresso, marcando desde então uma grande preocupação do Movimento na luta pelos direitos sexuais e reprodutivos da mulher.

Após o 25 de Abril de 1974, o MDM tornou-se uma organização legal.

Nessa altura, as suas aderentes participaram em numerosas actividades: Comissões de Moradores, Reforma Agrária, Brigadas de Alfabetização e Educação Sanitária, sempre numa perspectiva de intervenção em defesa dos direitos da mulher.

No plano internacional, o MDM pertence ao Comité Directivo da FDMI. No plano nacional, o MDM integra a secção das Organizações Não Governamentais do Conselho Consultivo da CIDM – Comissão para a Igualdade e Direitos das Mulheres – desde a sua formação em 1977.

Em 1987, o MDM, com a cooperação de outras organizações de mulheres, elaborou um projecto de lei sobre as Associações de Mulheres que algumas deputadas apresentaram na Assembleia da República, no dia 8 de Março de 1987.

Desde 1982 que o Movimento atribui, anualmente, a Distinção de Honra do MDM a mulheres que se destaquem na defesa dos direitos da mulher, quer a nível individual quer colectivamente.

O MDM é ,hoje, o Movimento feminista mais antigo no nosso país. Implantado a nível nacional e na emigração, viu recentemente reconhecido o seu estatuto de parceiro social, objectivo por que se bateu durante muitos anos. Nessa qualidade veio recentemente a integrar o Conselho Económico e Social, que constitui um importante espaço de intervenção.

O MDM é uma organização de mulheres ligado à luta pela plena integração e emancipação das mulheres numa sociedade de paz, justiça e progresso social, liberta da opressão, da exploração e de discriminações.

O MDM tem como objectivos fundamentais:
  • Unir as mulheres independentemente da sua opção política e religiosa, na defesa dos seus interesses como cidadãs, trabalhadoras e mães.
  • Promover uma maior consciencialização das mulheres sobre os problemas políticos, sociais e económicos que, afectando a sociedade portuguesa, são fundamento das discriminações sexistas.
  • Denunciar e lutar contra as discriminações económicas, sociais e políticas e a violência na sociedade, na família e no trabalho que atingem profundamente as mulheres.
  • Lutar pelo direito ao trabalho e pela efectiva aplicação do princípio a trabalho igual, salário igual, pela formação, promoção profissional e cultural das mulheres.
  • Lutar para que sejam criadas condições que garantam às mulheres a possibilidade de conciliar a realização profissional e participação na vida cívica e política do país com a sua vida familiar.
  • Lutar para que a maternidade seja reconhecida na prática como uma função social.
  • Lutar pela aplicação efectiva da igualdade jurídica entre a mulher e o homem.
  • Estabelecer relações de amizade, solidariedade e cooperação com as organizações femininas que, em todo o mundo, lutam coerentemente pela defesa dos direitos das mulheres, por um mundo pacífico e feliz para a humanidade.

sábado, 5 de dezembro de 2009

Juro que não foi na Madeira, mas sim em Paredes que aconteçeu!

Terminada a inauguração, junto à estação, o executivo e a comitiva rumaram a pé pela avenida, até ao Parque José Guilherme. Aí os aguardava um pequeno protesto da CDU local.Antes de mais os comunistas trouxeram as bicicletas para mostrar que a ciclovia é intransitável já que os automobilistas a usam como estacionamento. Depois de alguns minutos parados junto à Caixa Geral de Depósitos, um policia municipal que acompanhou a comitiva pediu a alguns automobilistas que removessem os seus veículos deixando as bicicletas da CDU passar.


No final da ciclovia novo problema. Um cartaz colocado pelos comunistas no gradeamento junto à rua onde se podia ler "Celsovia. Banha da Cobra" foi arrancado pela Polícia Municipal provocando protestos dos militantes da CDU.Celso Ferreira e a comitiva, que seguiam pelo outro lado da avenida, continuaram o seu caminho.Ao VERDADEIRO OLHAR, o candidato à Câmara pela CDU, José Calçada justificou esta acção de protesto como forma de mostrar que esta pista para ciclistas é uma "ficção" e não é útil. "Tirando os nossos que andam hoje aqui, nunca vimos ninguém a usar a ciclovia", afirmou. A pista está mal situada - entre o estacionamento e a via – "o que faz com que os carros a atravessem sempre que querem estacionar ou sair, pondo em risco a segurança dos ciclistas. Esta localização não faz sentido", afiançou. O investimento na ciclovia valeria a pena se fosse bom. "Quando se faz um investimento só para encher o olho é dinheiro deitado à rua", acusou.

fotografia: “ O Verdadeiro Olhar”
Comentário dos "Filhos de Abril" sobre atitude policial :

Fica claro para aqueles que assistiram a esta triste e grave atitude de uma entidade policial sobre a constituição, sobre a lei eleitoral e os verdadeiros valores democráticos do 25 de Abril.

  • Porque estes ataques só acontecem aqueles que lutam pelos verdadeiros valores democráticos do povo português!
  • Porque Paredes não é o Regime super Democrático do Arquipélago da Madeira!
  • Porque vivemos num estado de direito e liberdade de expressão!

O que diz a lei:

Artigo 175.º

Dano em material de propaganda

  1. Quem roubar, furtar, destruir, rasgar,desfigurar ou por qualquer forma inutilizar ou tornar inelegível, no todo ou em parte, material de propaganda eleitoral ou colocar por cima dele qualquer outro material é punido por com pena de prisão até 1 ano ou pena de multa até 120 dias.

Regulamento da Policia Municipal


A policia Municipal actua no quadro definido pelos órgãos representativos do município e é organizada na dependência hierárquica directa do presidente da Câmara.

Resumindo este senhor é o superior hierárquico do agente de autoridade e não o AlbertoJoãoJardim!




Truques com fermento

Todos se lembram de há um ano quando o Governo aprovou sozinho a Nacionalização do BANCO BPN.
Claro que nesta espécie de Nacionalização à moda da direita em que o Estado (todos os Portugueses) o salva, pagando o buraco em que os irresponsáveis pobres gestores e accionistas de referencia intelectual capitalista nos meteram, o Governo nacionaliza os prejuízos do banco e a oposição de direita bate palmas na esperança de logo que o problema esteja resolvido os abutres lhe deitem as mãos e exijam uma rápida privatização para o bem do crescimento da economia. (de qual?)
Num pais com quase 10% de desempregados em que destes quase metade não tem qualquer tipo de subsidio de desemprego, em que no Ensino, os jovens estudantes tem de fazer créditos para pagar as propinas, onde as desigualdades entre os que mais têm e que menos têm (ricos e pobres/maravilhosos e miseráveis) agrava-se de ano para ano, esta inegável situação a que chegamos deixa claro que o partido que governa, em bloco com o maior partido da oposição, são de natureza capitalista (ou seja de direita).
Vejamos os truques usados para que aquela coisa a que chamaram de nacionalização tenha conseguido chegar até a realidade actual com toda a direita maravilhada:
1º- Buraco do BPN-----------------7oo milhões de euros
2º- Buraco (final de 2008) – ------1800 milhões de euros
3º Buraco (Março de 2009) ------2100 milhões de euros
4º Buraco (Banco de Portugal) – 2400 milhões de euros
5º Buraco (Junho) ---------------– 2700 milhões de euros
6º Buraco -----------------------------?
Dados: Deputado Honório Novo (no JN)

Estes padeiros (de fazer crescer outro tipo de massa) a que chamo de capitalistas, para se manterem como classe dominante da economia e em nome da crise pouco se importam se as famílias portuguesas estão a perder qualidade de vida, se os filhos dos trabalhadores podem vir a passar fome depois de estes também em nome da crise serem despedidos, porque claro cumprem com rigor as leis laborais! Quando se fala de ajudar esta gente em precária situação nunca há dinheiro, mas para salvar o Banco, todo o necessário! Fome provoca humildade! (quantas vezes já ouvimos estas palavras?)
PCP tem alertado para estes e outros ataques (truques) capitalistas, mas contudo é difícil perceber o porquê de os portugueses ao fim de 34 anos continuarem a votar naqueles que lhes fazem mal.

Pergunta: 34 Anos de porrada! Não basta de porrada?

Reflexão sobre as eleições em Baltar

Depois de três actos eleitorais a CDU saiu mais forte para lutas futuras.
Tendo em conta as difíceis condições em que lutávamos, em que a população era manipulada uma bipolarização de dois partidos (PSD; PS) que não olharam a meios para numa campanha vergonhosa de esbanjamento e com os jornais locais a fazer dos seus candidatos actores hollywoodescos ou Santificados de tão profunda ligação a Santa Madre como chave do êxito eleitoral.
A CDU Baltar durante a campanha eleitoral cumpriu com as responsabilidade o seu dever sem excluir nenhum ser humano Baltarense independentemente do seu estrato social, profissão, religião e por muito que custe a algumas pessoas que pensam que para resolver os problemas sociais graves das pessoas, provocados por esta mesma sociedade é abrir uma vala comum e enterrar vivos todas as almas a que rotularam de excluídos ou imperfeitos Baltarenses. Na CDU orgulhamos-nos de ter intelectuais que põem os seus conhecimentos ao serviço dos trabalhadores e do povo, de terem a capacidade de fazerem uma política séria com uma observação muito lúcida de realidades escondidas nas comunidades locais.
Havemos de conseguir ter o povo connosco na luta por um Baltar melhor sem ter que gastar milhares de euros em cartazes de 8 Metros, no Toni Carreira, paletes de porcos, ou candidatos que utilizam a religião para caçar votos realizando excursões.
A CDU pela sua natureza, objectivos e intervenção, enfrenta um ataque continuado das forças afectas ao grande capital, que visam o seu enfraquecimento e liquidação, um objectivo de sempre que não conseguiram concretizar. O regime fascista não conseguiu nem ninguém conseguira!
Estaremos sempre prontos a lutar a aprender com as derrotas e aprender com as vitórias, aprender sempre aprender!

PCP Faz o problema da Étar de Baltar chegar a Assembleia da Republica

A Étar de Baltar não está esquecida.


O PCP cumpre os compromissos assumidos na campanha eleitoral, fazendo chegar o problema da Mini-Étar à Assembleia da República.
Como ficou prometido, depois da visita do Deputado da Assembleia da República Honório Novo à Mini-Étar de Baltar com o intuito de este testemunhar e fazer chegar à Assembleia um negligente problema ambiental e de saúde pública na Freguesia de Baltar.
Este grave problema que a Câmara Municipal De Paredes (PSD) demora a dar respostas, pactuando com a empresa sua concessionária (veolia).
PCP informa assim os Baltarenses que, o governo (PS) tem, através desta intervenção na Assembleia do Deputado Honório Novo e a pedido do PCP Paredes, conhecimento deste terrível desastre ecológico.
A CDU cumpre assim uma primeira fase da promessa da campanha eleitoral de lutar até a situação estar resolvida provando ao povo que os resultados das eleições nem sempre elegem quem mais trabalha para ele. Desta forma, fica claro para todos os Baltarenses que votaram (PS), lhes possam exigir esclarecimentos sobre a Mini- Étar pois já e do conhecimento destes. É conveniente também referir que os Baltarenses que votaram no Vitorioso PSD que não tenham muitas esperanças na Câmara Municipal de executivo PSD, pois estes senhores acham que o edifício que ergueram e de perfume Já testado em todos os baltarenses é orgulho Municipal, digno dos seus executivos aparecer em revistas de não olhar a custos de impressão, em poses majestosas.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

JCP-Paredes/ Iniciativa em Baltar


A JCP Faz 30 anos


Transformar a vida, construir o futuro!


Foi com responsabilidade e luta que os jovens estudantes comunistas do concelho de Paredes festejaram os 30 anos JCP, através de uma iniciativa no dia 13 de Novembro distribuição de um documento na Escola secundaria Daniel Faria de Baltar, em que os estudantes quiseram que a JCP lhes desse voz nas suas revindicações de graves repressões de um regulamento interno feito por gente que ainda vive o antes 25 Abril 1974. (ver documento original abaixo)
Hoje, em Portugal, no ensino público aumenta a elitização e caminha-se a passos largos para a sua privatização, abre-se a porta aos interesses do grande capital, ao mesmo tempo que são retirados direitos aos estudantes e se impõem entraves à sua participação, numa clara tentativa de diminuição da democracia nas escolas, aumenta a repressão sobre os estudantes e a ingerência na vida das Associações de Estudantes e outras estruturas estudantis.
No Ensino Secundário, os estudantes encontram um sistema de avaliação injusto e elitizante com os exames nacionais, o Estatuto do aluno, que mais não é que um código penal que visa limitar e impedir a luta dos estudantes, o novo regime de autonomia que institui a figura do director, introduz empresas nos órgãos da escola e retira os estudantes, a privatização dos serviços escolares como cantinas, bares, papelarias e gimnodesportivos, visando apenas a obtenção do lucro e chegando ao cúmulo de os alunos terem de pagar se quiserem jogar à bola depois das aulas, a Lei da Educação Sexual aprovada há mais de 25 anos que ainda não foi implementada nas escolas.


JCP-Paredes

Por Abril, por uma educação pública, gratuita e de qualidade para todos.

A luta continua!

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Truques com fermento

Todos se lembram de há um ano quando o Governo aprovou sozinho a Nacionalização do BANCO BPN.
Claro que nesta espécie de Nacionalização à moda da direita em que o Estado (todos os Portugueses) o salva, pagando o buraco em que os irresponsáveis pobres gestores e accionistas de referencia intelectual capitalista nos meteram, o Governo nacionaliza os prejuízos do banco e a oposição de direita bate palmas na esperança de logo que o problema esteja resolvido os abutres lhe deitem as mãos e exijam uma rápida privatização para o bem do crescimento da economia. (de qual?)
Num pais com quase 10% de desempregados em que destes quase metade não tem qualquer tipo de subsidio de desemprego, em que no Ensino, os jovens estudantes tem de fazer créditos para pagar as propinas, onde as desigualdades entre os que mais têm e que menos têm (ricos e pobres/maravilhosos e miseráveis) agrava-se de ano para ano, esta inegável situação a que chegamos deixa claro que o partido que governa, m bloco com o maior partido da oposição, são de natureza capitalista (ou seja de direita).
Vejamos os truques usados para que aquela coisa a que chamaram de nacionalização tenha conseguido chegar até a realidade actual com toda a direita maravilhada:

1º- Buraco do BPN-----------------7oo milhões de euros
2º- Buraco (final de 2008) – ------1800 milhões de euros
3º Buraco (Março de 2009) ------2100 milhões de euros
4º Buraco (Banco de Portugal) – 2400 milhões de euros
5º Buraco (Junho) ---------------– 2700 milhões de euros
6º Buraco -----------------------------?
 Dados: Deputado Honório Novo (no JN)

Estes padeiros (de fazer crescer outro tipo de massa) a que chamo de capitalistas, para se manterem como classe dominante da economia e em nome da crise pouco se importam se as famílias portuguesas estão a perder qualidade de vida, se os filhos dos trabalhadores podem vir a passar fome depois de estes também em nome da crise serem despedidos, porque claro cumprem com rigor as leis laborais! Quando se fala de ajudar esta gente em precária situação nunca há dinheiro, mas para salvar o Banco, todo o necessário! Fome provoca humildade! (quantas vezes já ouvimos estas palavras?)
PCP tem alertado para estes e outros ataques (truques) capitalistas, mas contudo é difícil perceber o porquê de os portugueses ao fim de 34 anos continuarem a votar naqueles que lhes fazem mal.
Pergunta: 34 Anos de porrada! Não basta de porrada?